Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


28.02.13

Supostamente, nada o fazia prever, e no entanto, misteriosamente, aconteceu, como uma mácula cinzenta de penumbra debaixo de um céu reconstruído de resíduos esféricos que sobraram das brincadeiras infantis em frente à velha escola, quatro paredes, telhado em zinco, e casa de banho completa com cerca de um hectare bordada a capim húmido e algumas pedras cansadas de sobreviverem à escuridão das noites quando os cortinados se enrolam no pescoço esguio do teu vestido encarnado, adoras o vermelho, o sangue, a gravida quando deixa de ser aproximadamente nove vírgula oito metro por segundo quadrado, e talvez por desorientação, é de doze vírgula cinco metro por segundo quadrado,

(acreditei que o seno ao quadrado de alfa mais o co-seno ao quadrado de alfa o resultado é um, incrível, como se a tangente de trinta graus não fosse raiz de três sobre dois),

Dir-me-ás que o triângulo isósceles do segundo esquerdo é loucamente apaixonado pelo triângulo equilátero do rés-do-chão frente, e que são felizes, diria até

Muito,

E tal como o triângulo rectângulo do quinto direito ama loucamente o triângulo isósceles do quatro esquerdo, a hipotenusa ao quadrado é igual à soma dos quadrados dos catetos, e também eles, apaixonados pelo perímetro do círculo com o raio igual à paixão, e se

A paixão ao quadrado é igual ao amor, logo

Qual será a raiz quadrada da paixão?

Não sei nada dessas coisas, tal como nunca percebi o silêncio dos nossos vizinhos que se amam loucamente e têm medo de o assumir, palhaços e palhaços, dentro de um circo denominado tesouro absorto das palavras proíbas, custava-lhes dizerem ou escreverem ou simplesmente no átrio da escola com um ripa de madeira, desenharem na terra húmida

Amo-te Teresa,

(o autor deste texto não ama e tão pouco conhece fisicamente uma Teresa, e é apaixonado por triângulos rectângulos e círculos de luz)

Amo-te Teresa, e enquanto ele escrevia na parede lateral esquerda do átrio da Igreja Matriz, não sendo ela, a matriz, nem quadrada, nem diagonal, nem outra coisa alguma

(apenas o devaneio de um louco que julga ter piada com as porcarias que escreve)

Apareceram treze linda flores de nome Teresa,

Nunca acreditei que no jardim do amor existissem tantas e lindas

Figuras geométricas,

Complexas coxas, finíssimas fronteiras de carne e osso, da pele, escurecida como a água depois de cair a noite sobre o mar, libertava-se um distinto livro de poemas com pétalas vestidas de cubos e hipercubos

(E se eu em vez de amar uma Teresa amasse um hipercubo?)

Com madeixas triangulares, e percebi que ele resolvia as equações do terceiro grau como se elas fossem simples flores, pertences ao jardim do amor, e mesmo assim, elas, elas acreditavam que

(Supostamente, nada o fazia prever, e no entanto, misteriosamente, aconteceu, como uma mácula cinzenta de penumbra debaixo de um céu reconstruído de resíduos esféricos que sobraram das brincadeiras infantis em frente à velha escola, quatro paredes, telhado em zinco, e casa de banho completa com cerca de um hectare bordada a capim húmido e algumas pedras cansadas de sobreviverem à escuridão das noites quando os cortinados se enrolam no pescoço esguio do teu vestido encarnado, adoras o vermelho, o sangue, a gravida quando deixa de ser aproximadamente nove vírgula oito metro por segundo quadrado, e talvez por desorientação, é de doze vírgula cinco metro por segundo quadrado,)

Quando se cai nos braços de uma Teresa qualquer; Cravo, Rosa, Crisântemo ou outra qualquer figura geométrica.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha


27.02.13

Uma rua fina e escura levar-me-á até ti, acredito eu, depois a manhã clareá e iluminar-se-á de gotinhas de orvalho, bolas de fogo e réstias de plantas carnívoras como antes de chegarem as palavras do livro destinado ao empobrecimento da floresta, por cada árvore uma andorinha, uma andorinha dorme ao som dos enclaves solstícios que da parede em gesso da sala de jantar sorriem, como sorriam, antes de partires, as poucas lâmpadas que sobraram do naufrágio nosso querido corredor de arreia, foi-se a maré sabática como os perfumes das outras rosas, as falsas, de papel, e depois

Embalsamadas e exportadas para dentro do teu peito,

É isto o amor cansado nas tardes de Inverno, de uma lareira vêem-se os olhos teus comestíveis como os grãos de pólen dos doces lábios da poesia, e se eu te pedisse

Escrevias-me um poema?

Não, claro que não, nunca, nunca escrevi poemas, nem palavras, nada, rigorosamente

Nada,

Muitas

Nada debaixo da tua saia de chita com borboletas azuis,

Muitas outras e algumas são mulheres, entre pilares de sémen e vigas encastradas nos púbis dilacerados das noites vagabundas, descobri, e talvez já o soubesse, que a nossa lareira apaixonou-se pelas chamas incandescentes dos pedaços de oliveira que iluminam as nossas, e sabíamos

Nada,

Que iluminam as nossas mãos quando os pedestais dos arbustos complexos e outras vezes, maldosos nos pensamentos, uma rua fina e escura, levar-me-á até às encostas latejantes do xisto metafisico, só, completamente só, como as tuas pernas antes de eu as acariciar invisivelmente dentro das sombras do néon com sabor a morango, e lá fora

Gemes,

Gritas como os fios de arame que suspendem a velha videira do extinto orgasmo literário,

Sou assim, dizes-me enquanto te dispo no silêncio dos poemas de AL Berto, e detesta-lo, como eu odeio os pinheiros ranhosos dos montes vadios, como as pedras, o sol que mergulhará nos seixos onde poisam os teus seios de espuma, e acredita

Nada,

Me excita como as luzes submersas de uma tenda de circo,

Nada,

Como procurar-te nos cubos de gelo estacionados ao fundo da rua fina e escura, como os lençóis com que te cobres nos infinitos sótãos de chuva, odeio-te escrevias-me nos braços também eles finos, e tal como a rua, escuros, sombrios, distantes, adormecidos, mortos, malvados ruídos das ranhuras que as livrarias provocam nas ocas cabeças de gesso onde está suspenso um crucifixo de madeira banhado a oiro, e sorris-me pela vigésima vez, como a primeira, fotocópias e fotocópias e fotocópias, eu

Tento parar os ruidosos sussurros das Madames em Flor, e não admira que o autoclismo tenha deixado de funcionar, o autocarro engasgou-se num buraco rendado no pavimento atropelado pelas rimas dos versos quando lá dentro, da casa voadora, uma laranja sobrevoa as teias de aranha dos aclamados uivos que os vidros e os cortinados desenham na cidade do lixo, e dançavas embrulhada nos braços de aço do comboio enferrujado entre sílabas clandestinas, de rio em rio, pela primeira vez sorrias-me dançando sobre nós uma penumbra acetinada de papeis diversificados, nas cores, nos sexos, nas bocas antes de entrarem nelas as grandessíssimas aldrabices do cigano com estabelecimento comercial num dos arruamentos transversais da rua fina e escura,

E nada,

Muitas

Nada debaixo da tua saia de chita com borboletas azuis, e ouvíamos o mar nas distantes laranjeiras dos montes solidificados pela bruma, pela espuma, pela

Nada em ti que me sirva, a não ser, os malditos telhados com estrelas cinzentas que os cigarros multiplicavam na ardósia pendurada na mangueira abandonada, lá fora, no velho quintal da casa em ruínas, só, só como eu

Como tu,

Sentados sobre esqueletos de livros, e saliva dissipada pelas tristes palavras de ontem, só como eu, como tu, sem sabermos como explicar aos transeuntes da rua fina e escura, que o amor, entre nós, sempre

Muitas,

Existiu como existem as noites de chuva, de frio, neve, e calor chamado prazer, ou

Húmidas estátuas de arame,

Na tua cama acorrentada aos grandes blocos de granito da montanha dos sonhos...

Pela tua fina mão em anéis de prata.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

 


26.02.13

Não saberia esquecer-te se eu pudesse recordar-te, saciar-me com a tua boca quando nada alimenta as manhãs de Inverno, eu, invento o tempo, o dia, desenhando a noite no teu corpo ensonado, procuro-me misturando a insónia com os delírios das palavras incandescentes, húmidas quando derretidas nas planas pistas de veludo onde dormes eternamente, e esperas-me, e escreves-me livremente nas paredes da solidão liquefeita, e uma asa de papel vai esconder-se dentro de uma nuvem de prazer,

(começo a não perceber o que escrevi apressadamente num pedaço de papel sobre os joelhos),

Esqueço o orgulho, escondo a tristeza, pego no telemóvel e marco o teu número, uma voz de chocolate diz-me que...

O número que marcou não se encontra atribuído,

E eu, começo, a cada milímetro que me aproximo do rio, a acreditar, a acreditar que afinal

Nunca exististe, tal como eu, que pertenço aos assombrados murmúrios das distantes letras de sabão, inventaste-me louco para te distanciares de mim, inventaste-me a miserabilidade pela mesma razão da loucura, e depois queres fazer-me acreditar

Que a lua é quadrada, que as pedras são as lágrimas das estrelas, e que o mar, e que o mar vive num buraco com grandessíssimas hélices de vidro, como o amor, clandestino, debaixo de uma árvore, ao lado da árvore vive uma casa, dentro da casa uma mulher com cabelos de vento, e dentro dos cabelos de vento

(começo a não perceber o que escrevi apressadamente num pedaço de papel sobre os joelhos), o número que marcou não se encontra atribuído, e depois querem fazer-me acreditar que a noite é negra, que as cidades têm ruas sem saída, e que nas calçadas habitam pedaços de cartão onde se embrulham homens, mulheres, crianças

Pode lá ser possível,

E dentro dos cabelos de vento uma gaivota com lágrimas de Primavera traz-nos livros que o cacilheiro náufrago derramou sobre o Tejo, poemas, frases, palavras sem nexo como as árvores do quintal de Carvalhais, coisas, poucas, algumas, o sangue derramado na secretária imaginária que a mulher com cabelos de vento

Dentro da casa, uma cadeira, duas mesas de madeira, dois tristes corações com lâmpadas de halogéneo, do electrocardiograma nada a salientar, normalíssimo, o RX pulmonar apenas algumas sombras, provavelmente devido ao dia com alguma nebulosidade, como as janelas quando vêm as marés de azoto e roubam do parapeito os discretos vasos de cerâmica, (Nunca exististe, tal como eu, que pertenço aos assombrados murmúrios das distantes letras de sabão, inventaste-me louco para te distanciares de mim, inventaste-me a miserabilidade pela mesma razão da loucura), e hoje apetecia-me um Sábado louco sobre a mesa de uma cave no interior de uma ruela escura, suja e imunda, como os navios regressados de ontem,

Perdi-me nas clareiras tuas faces pontiagudas, e dos alicerces teus lábios, uma corrente de aço não me deixa aproximar, e quando me perguntam o que tenho a declarar, respondo

Nada, Excelência, apenas que se faça justiça,

E assim foi,

(Não saberia esquecer-te se eu pudesse recordar-te, saciar-me com a tua boca quando nada alimenta as manhãs de Inverno, eu, invento o tempo, o dia, desenhando a noite no teu corpo ensonado, procuro-me misturando a insónia com os delírios das palavras incandescentes, húmidas quando derretidas nas planas pistas de veludo onde dormes eternamente, e esperas-me, e escreves-me livremente nas paredes da solidão liquefeita, e uma asa de papel vai esconder-se dentro de uma nuvem de prazer),

Qual será a raiz quadrada do AMOR?

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Pág. 1/11

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub