Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


28.10.14

Os relógios enferrujados

encolhidos nas tristes alvenarias

as janelas escondidas...

no olhar da serpente

 

as estilhas adormecidas

nos pregos dentados

os relógios... os relógios encalhados

em rochedos rendilhados

 

o pólen de um olhar

semeado na escuridão

e os relógios sem fôlego

e os relógios... e os relógios sem pão

 

e a paixão?

matriculada nas putas avenidas

correndo

saltando... os muros embriagados dos ossos embalsamados

 

os relógios...

escrevendo na pele da solidão

horários enlouquecidos...

sem vontade de sonhar

 

sonhar a paixão?

há cadáveres perdidos

na eira da infância...

colchas de linho... suspensas nas árvores tombadas no chão.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 28 de Outubro de 2014


21.10.14

Do término dia entra em mim o morro da paixão,

ele, vestido de negro, começa a voar sobre os socalcos imaginados por uma louca,

desiste,

e deita-se...

descem as cinzas do sofrimento que dizimam toda a claridade reflectida no espelho da insónia,

aparece o sonho disfarçado de lâmina de xisto,

ouvem-se das encostas húmidas da pele o silêncio emagrecido de uma gaivota,

desiste, e deita-se,

como um corvo sobre a sua presa apodrecida,

há navios esquecidos nos meus lábios,

e do término dia...

nada, só o sangue triste de uma viagem sem regresso,

há um mapa que não me ajuda a regressar,

um clandestino beijo enforcado nas sílabas da noite,

e do término dia...

o amor,

em forma de carrasco,

uma carta escrita na algibeira,

um cigarro inseminado numa qualquer rua de uma cidade sem nome,

e um qualquer húmus redopia junto ao rio,

tenho fome, tenho medo deste amor sem marinheiros,

tenho medo das palavras invisíveis que aportam nos teus seios...

sento-me e finjo caminhar sobre uma fogueira habitada por gajas nuas...

… e nuas flores com um lencinho ao peito,

há espingardas suspensas na bandoleira da manhã,

peço um café,

e adormeço no sisal Outono,

e deixei de perceber o mar,

os rochedos enamorados que desenham no meu peito a solidão,

e esta casa funde-se como se fundem todos os metais...

quando o alicerce do abismo encerra nele o livro proibido,

não tenho janelas no meu olhar,

sinto-te entranhada nos confins de uma ilha inabitada,

sem uma cabana, sem um cão para conversar...

e adormeço no sisal Outono,

e deixei de perceber o mar,

do término dia entra em mim o morro da paixão,

ele, vestido de negro, começa a voar sobre os socalcos imaginados por uma louca,

desiste,

e deita-se...

até que o tempo se transforma em estátua e todas as lâmpadas se apagam,

o meu corpo evapora-se numa amoreira...

e tu perceberás que sou filho da noite,

e tu perceberás que sou a própria noite... só.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Terça-feira, 21 de Outubro de 2014


18.10.14

A morte inventada pela dimensão do infinito,

a equação do desespero cansa-se dos meus braços,

alicerça-se na geada cinzenta dos hospícios sem janelas,

a morte cintila no tecto da solidão...

e o rio me come,

e o rio me leva... e não voltarei aos fios de nylon da cidade,

o livro de ti, arde,

e das lâmpadas do abismo... filamentos de sangue em construção,

o navio solitário escreve-se e silencia-se na montanha de uma fotografia,

há no teu olhar a neblina do pastor sem solução,

há nos teus lábios os secretos sonhos do perdão...

e não conseguirei alcançar as tuas pálpebras de anelar sombra com odor a cansaço...

morrerei como um pássaro,

a morte não sabe...

que os suspiros da hipnose madeira fantasma... flutua nas plumas de uma bailarina,

partirei,

partirei como um veleiro sem velas,

disfarçado de homem...

com uma gaivota no meu coração.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 18 de Outubro de 2014


15.10.14

Odeio as poças de água

odeio os nenúfares e os sombreados vultos da noite

odeio a poesia

as palavras

e a felicidade...

ah... odeio a chuva vestida de branco,

 

odeio os acenos

e os enganos,

 

odeio...

 

odeio as sanzalas com telhados de vidro

as cidades sem transeuntes

nus

descalços

odeio as calçadas

e os cansaços,

 

odeio as pontes

e os beijos

odeio o silêncio e os cigarros de matar...

 

odeio... odeio o mar,

 

odeio as poças de água

odeio os nenúfares e os sombreados vultos da noite

odeio a poesia

e as espingardas de brincar

odeio... odeio a solidão e as lareiras invisíveis

odeio as cabanas inseminadas nos seios da montanha,

 

tudo odeio...

até que das nuvens inventadas pela madrugada

desçam a mim os sorrisos do milagre!

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014


06.10.14

O vampiro ensanguentado

é filho de um quadrado,

à noite, coitado, adormece empoleirado no cansaço,

e pela madrugada, acorda vestido de roseira,

nunca conheceu a mãe,

apenas existe uma fotografia pendurada no espelho do amanhecer,

e ao longe, e ao longe uma fogueira...

e no centro da fogueira... palavras que ele recusa ler,

é destemido, e é solitário,

o vampiro ensanguentado desiste de observar os plátanos

e os anzóis de papel, senta-se junto ao rio...

e sonha com os barcos de vidro,

 

apanha com a mão os pedacinhos mais frágeis do vento,

sorri, sorri porque acredita no luar,

o vampiro... ensanguentado...

é filho de um quadrado,

e detesta as tempestades de amar,

 

não sei, não sei se ele vai ler estas palavras...

 

terá de apagar a fogueira,

ir ao seu centro...

e das cinzas,

ressuscitar os corações de sofrimento.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub