Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


31.07.15

Um cachimbo mergulha na água perfumada do silêncio,

Transporto nos ombros a insónia dos Oceanos,

Os ossos embalsamados embrulham-se nas paredes de vidro de um olhar,

Perdi o mar da minha infância,

Construo no coração um muro em xisto,

Ao longe os socalcos imaginários,

As janelas sem cortinado,

As fotografias envenenadas pelos sais-de-prata,

E eu, aqui, sentado, escrevendo coisas sem significado…

Palavras que se escondem no vento,

Os livros, sós, dormem sobre uma secretária doente,

Pego no cachimbo e finjo acreditar na solidão…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 31 de Julho de 2015


27.07.15

desenho_27-07-2015_2.png

 (desenho de Francisco Luís Fontinha - Alijó / IPO-Porto, 27/07/2015)

 

Vivo imaginando corvos poisados neste quarto cinzento,

Sinto ao longe os barcos em círculos atravessando a tempestade,

Esta cidade morre como morreram todas as flores do meu jardim,

E mesmo assim…

Não me apetece escrever neste lugar sem nome,

Não vejo as estrelas,

Perdi a noite

E os andaimes da escuridão,

Perdi a paixão,

Deixei de ter o rio nas minhas veias,

As calças cresceram,

Pertencem a outro arbusto,

 

E estou aqui… como um rochedo,

Perdido,

Vestido de medo,

 

Sentado numa cadeira invisível.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Porto, 27/07/2015


26.07.15

desenho_26_07_2015.png

 (desenho de Francisco Luís Fontinha - Alijó / IPO-Porto, 26/07/2015)

 

Quatro quadrados aprisionam esta janela,

Um pedacinho de medo algures no esconderijo da saudade,

Trocava os quadrados por círculos de prata,

Vestia-me de mendigo,

De lata na mão,

Pedia solidão,

Trocava todos os meus livros por silêncio,

E enterrava as minhas palavras no poço da paixão…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Porto, 26-07-2015


25.07.15

Sinto em cada porta uma lágrima,

O grito dos cadáveres em cartolina cinzenta…

Embrulhados nas estrelas,

É tão pequeno o Universo,

É tão insignificante a vida,

E todas as palavras que escrevi,

Em vão…

Odeio esta cidade em ruínas,

E todos os barcos acorrentados a este edifício,

Sinto em cada porta uma árvore em direcção à morte,

Sinto em cada porta numerada...

Um marinheiros sentado à janela,

A luz ténue da esperança cessa em cada mão,

A noite não regressará mais a este corredor,

E a madrugada…

Um palhaço em vidro,

Um circo desesperado,

No medo,

No infinito coração das pétalas adormecidas,

Vagueio,

Deambulo como um soldado envergonhado,

Sem espingarda…

E há sempre em mim uma triste Calçada.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

IPO – Porto, 25 de Julho de 2015


24.07.15

Não tenhas medo, meu querido,

Do túnel das amoreiras,

Da paixão da noite,

Dos pássaros da alvorada,

Das madrugadas sem janela,

Amo-te como amam todos os rios as pontes invisíveis,

Como amei a montanha do corpo sem destino,

Ao entardecer,

A insónia mergulhada nos teus ossos,

Desapareces das velhas fotografias,

Como o vento desaparece na solidão…

E os veleiros sem nome… dormem no profundo sono das cidades geométricas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

24/07/2015


20.07.15

Não tenho tempo,

Cessaram os relógios de pulso no meu peito fictício,

Ambulante circo de cidade em cidade,

De montanha em montanha,

O tempo escoou-se no aéreo sonho da noite,

Morreu,

Partiu em direcção ao mar…

Olho as minhas cinzas,

Embrulham-se na maré,

E nunca mais regressarão à minha mão,

Levo um livro na algibeira,

E uma caneta na boca…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 20 de Julho de 2015


18.07.15

desenho_18_07_2015.png

 

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Não me sinto desenhado neste rio sem nome,

Não sinto no meu corpo o cieiro da madrugada,

 

A fome…

As mãos da manhã amada,

Não sinto nada,

Não me sinto aprisionado a esta tarde envenenada,

A fome…

A palavra…

Não o sinto,

Não me sinto desenhado,

Esculpido no rochedo da dor,

Não há livros em mim,

Ou flor,

Que alimentem este cansaço,

 

Ou matem este amor.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 18 de Julho de 2015


17.07.15

Este silêncio na morte do cansaço,

Os vampiros das geadas nocturnas sem identidade,

Oceanos em metamorfose cilíndrica,

Flores rebeldes passeando junto ao rio,

É isto a vida?

 

A liberdade…

 

É esta a minha cidade?

Onde habita a madrugada

Que brincava no meu olhar?

É este o rochedo do meu mar…

Sem barcos para conversar,

Sem portos para aportar,

 

Oceanos em metamorfose cilíndrica,

 

Árvores caducas

Agachadas na sombra púrpura da solidão,

 

A liberdade…

 

A vida disfarçada de livro poeirento

Numa qualquer janela,

Esperando o regresso do vento,

Esperando os apitos da triste caravela,

 

A liberdade…

 

Não poisará mais neste Oceano de espuma,

Sem palavras,

Sem cordas onde se agarrar…

 

A vida fingida de um esqueleto de néon.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 17 de Julho de 2015


15.07.15

Escorrem no teu rosto

Todas as sombras das montanhas inanimadas,

Pego-te docemente

Como se fosses uma criança em tardes de brincadeira,

O colorido papagaio em papel,

O avião em cartão…

Sem local onde poisar,

Um dia coloquei o meu cigarro à janela,

Ardia enquanto as nuvens do silêncio

Argamassavam-se no teu peito,

Fugi,

Cerrei os olhos,

 

Sentei-me

E esperei que regressassem as paixões de iões

Que só tu conheces,

E falas,

E conversas…

Como se eles fossem uma raiz envenenada

Pelos insectos da madrugada,

Sem vida,

Sem uma cidade para deixares o jardim da tua infância,

Um nome,

Morada…

Ou lápide com asas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 15 de Julho de 2015

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub