Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


30.04.16

Morro, sobre o incandescente teu peito.

Abraças-me como se esta fosse a minha última morada, mas não o é…

Tenho casa, cama, roupa lavada e livros, nada mais do que isso,

Engano-me quando acordo e sinto o teu rosto na minha mão, sorrio, alegro-me quando os teus lábios se prendem nos meus, não importa quem sou.

Sou eu.

Preciso de ti, bailarina dos labirintos da manhã, preciso de ti como preciso de oxigénio para sobreviver nesta selva de levianos lençóis de prata,

Sobrevivo, sobrevivo a este cansaço, a esta dor provocada pela tua ausência,

O frio enroscava-se nos teus braços, iluminavas-me até regressar ao meu leito, de marinheiro desempregado, sem mar, sem barco…

Escondo-me em ti.

Preciso de ti como os livros precisam das palavras, minhas, tuas, deles, é-me igual; a gaivota do teu desejo.

Morro, sobre…

Abraças-me nas cansadas noites de desejo, repetidamente… DESEJO

Poisava em ti, caminhava sobre os teus seios, veleiro da alvorada, triste e só,

Esta dor, este cansaço sofrido dos dias embriagados,

E das manhãs sonhadas pelo ausente.

Vivo, incandescente sorriso, olhando-te como uma fera doirada,

O invisível inclinado púbis que só a paixão conhece, amanhã não sei,

Amanhã, esperarei por ti, preciso das tuas palavras obliquas, das tuas equações de amor, e rectas vazias da tua vagina.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Sábado, 30 de Abril de 2016


28.04.16

O vento que passa

E leva com ele a madrugada

O peso das árvores sobre o sorriso da solidão

Um livro assa

Na fogueira do teu coração

Quando a manhã acorda cansada,

 

O vento que passa

E traz a mim a insónia dos corredores

Preciso de espaço para saborear o beijo

E libertar-me da maça

Que lapida os meus ossos como flores

E me leva o desejo,

 

O vento que passa

E transforma a liberdade em melancolia

O sorriso da fera acorrentada

E se enlaça

No acordar do dia

Como uma montanha apressada…

 

Francisco Luís Fontinha

quinta-feira, 28 de Abril de 2016


27.04.16

Tenho um esqueleto amaldiçoado; sinto-o quando os ombros se cruzam na madrugada.

Tenho a certeza que amanhã serei capaz de voar sobre os sobreiros da tempestade,

Como um pássaro enlouquecido,

Como uma nuvem sem destino

Quando o poço da tristeza inventa desenhos na areia da insónia.

Pego nos cigarros amachucados pelo prazer,

Pego no livro estacionado sobre a minha secretária,

Que me espera, todas as noites, antes de adormecer.

E este madito esqueleto não se cansa de ranger,

Sei que todas as flores do meu jardim não me pertencem,

São alugadas, algumas, e outras, e outras emprestadas pela vizinha do terceiro direito,

Estão à minha guarda como uma criança entre círculos e palavras no recreio da escola,

Os vidros da inocência que parti com uma bola desenfreada,

As pedras que atirei aos vidros substituindo a bola desenfreada,

O silêncio da sebenta escondida na pasta,

A bata que trazia nunca regressava com todos os botões,

Os joelhos rasgados,

Os cotovelos ensanguentados…

Mas era feliz assim, como hoje sou feliz assim.

Com o esqueleto amaldiçoado,

Transparente verniz que cobre a minha pele,

Poema que deito no lixo porque não gosto dele,

Este ainda não o sei,

Talvez no final vá fazer companhia ao túmulo dos Deuses Sagrados,

Caderno pérfido, esferográfica mais parecendo uma enxada… e ao longe o Douro encurvado nas coxas da montanha,

Desprezo-me,

Não me apetece cortar o cabelo, não me apetece desfazer a barba…

Dizem que sou um vagabundo,

E sou-o.

Uma cidade esvairada, uma campânula nas festas de aldeia,

Tenho um esqueleto amaldiçoado, é pobre, é velho, e mesmo assim tenho de o transportar de aqui para ali e de ali para aqui,

Loucos,

Loucas,

A boca quando dos lábios brota a Primavera,

Quando o fogo incendeia o meu corpo e só o mar consegue sossegar-me deste esconderijo nojento, obsceno, ridículo,

Tenho noites assim, tenho noites desgovernadas pelas fotografias da minha infância,

E apenas sinto os barcos a passearem-se junto a mim,

O meu cão ladra,

Não me apetece cortar o cabelo e desfazer a barba…

Porque sou um vagabundo que tem um esqueleto amaldiçoado.

 

 

Francisco Luís Fontinha

quarta-feira, 27 de Abril de 2016


25.04.16

Uma bala de saudade atravessa o meu peito.

A espingarda da liberdade

Poisada sobre a ferrugem ténue da madrugada,

As palavras escrevem-se numa branca parede

De ardósia invisível,

Longínqua como a esperança de regressar…

 

 

Francisco Luís Fontinha

segunda-feira, 25 de Abril de 2016


24.04.16

Sou um miserável.

Não tenho mulher com quem conversar,

Filhos para brincar…

Apenas livros, muitos, hoje recordei pela última vez o teu rosto,

Estas linda, como sempre,

Felicitavas-te com o miserável que sou eu,

Acredita, meu amor,

Queria ser uma abelha,

Livre,

Voar sobre os canaviais do desejo,

Como um miserável magoado pelo tempo,

Estou velho, só, apenas com alguns muitos livros…

Onde está a saudade?

O limiar da ausência,

As finas cortinas do amanhecer voando nos teus lábios.

Sou um miserável,

Não tenho mulher com quem conversar,

Apenas livros, mortos, esqueletos de sangue…

Eu morreria,

Na tua mão.

 

Francisco Luís Fontinha

domingo, 24 de Abril de 2016


23.04.16

Os poemas perdidos, a noite incendeia a solidão do corpo enquanto lá fora o silêncio da morte acorda os pedestres rochedos da insónia.

Desço às profundezas do rio, toco na sua boca como se alguém me empurrasse para a escuridão, feliz aquele que vive só, sem ninguém,

Os poemas perdidos que invadem a tarde junto ao mar, lá longe, os sifilíticos segredos da esperança, perdidos, as palavras, os sons e a melódica tempestade dos guizos,

Perdidos.

Os poemas na minha mão caminhando sobre as areias finas do desejo,

Invento crianças que brincam nos quintais de espuma,

Marés de incenso sobre a secretária desarrumada,

Milímetros quadrados de nada, de ninguém, que só os muros da geada conseguem atravessar, tenho pena do coração da Primavera; triste.

Como eu,

Triste

Nos poemas perdidos,

Amanhã renascerá uma estrela no meu peito e o meu corpo transformar-se-á em lâminas de prazer, amanhã terei os poemas perdidos fora do livro, esqueléticos casebres das montanhas de neblina, rios que invadem a cidade e trazem a morte, dos poemas, e dos livros com poemas,

Triste,

Os poemas perdidos quando incendeiam os dedos amachucados pelos cigarros em despedida,

As fotografias dentro de uma caixa de cartão à espera de serem resgatadas pelas palavras dos poemas perdidos, sem ninguém, procuro nela o meu rosto de infância, imagino-me a olhar os barcos entre apitos e partidas, e o medo absorve-me…

Deixo de ver a cidade, dou-me conta em pleno Oceano, sinto o cheiro das gaivotas percorrendo os trilhos do sono, e dos poemas perdidos…

O sangue que corre nas minhas veias, os dias iguais às noites, as noites iguais às sílabas de luar quando olho pelo camarote um finíssimo fio de nylon que me acompanha até ao meu regresso,

Despeço-me dos poemas perdidos,

Despeço-me da aldeia onde nasci e abraço uma Lisboa camuflada pelas âncoras do Tejo, os caixotes em madeira presos aos meus pés, sem nada, apenas tarecos, apenas pequeníssimas coisas sem nexo,

Os poemas perdidos,

Despeço-me,

Deles, delas…

 

Sem perceber que os poemas perdidos nunca existiram em mim.

 

 

Francisco Luís Fontinha

sábado, 23 de Abril de 2016


21.04.16

A voz silenciosa da montanha

Montanha envergonhada

No luar.

A voz alicerçada dos mártires que o vento leva

Leva o assobio melódico da Primavera apaixonada

Nos rochedos de chorar.

Cansada.

A voz esconde-se na planície do amanhecer

Amanhecer largando a esperança

Na cidade embriagada.

A voz do meu corpo camuflado pelas roseiras

Roseiras de rosas amarelas à nascença

A voz… a voz triste da alvorada.

Cansada.

A voz silenciosa da montanha

Montanha meu leito

Que regressa à noite a chorar.

A voz maltratada pela floração do meu jardim

Jardim onde habito sem jeito

E espero pelo mar.

Cansada.

 

Francisco Luís Fontinha

quinta-feira, 21 de Abril de 2016


20.04.16

Sou a árvore sem medo de acordar

Sou o fruto proibido em cada amanhecer

Sou o silêncio do teu olhar

Nos dias de envelhecer

Sou a árvore da alegria

E a sombra da melodia

Sou a árvore “saudade”

Para recordar este dia

E nunca esquecer

A mulher da minha vida…

 

Francisco Luís Fontinha

quarta-feira, 20 de Abril de 2016


19.04.16

A ponte desesperada.

O silêncio amargurado das velhas esplanadas

Caindo do Céu como serpentes de aço

Voando sobre o cansaço

Das velhas madrugadas,

Morro de medo que apareça a tua mão no meu peito,

Fico sem jeito

E deixo de sentir a alvorada,

A ponte desesperada,

A ponte enigmática sobre o rio da solidão,

O peito na mão

Sem mão,

Esperada vaidade dos alicerces da cidade,

A ponte, desesperada; a infinita sombra do sufoco,

A chuva dos dias envergonhada pelas cintilações do medo,

E eu, e eu vou partir.

Vou deixar este caderno e esta esferográfica de carvão…

O meu testamento,

A minha vontade,

A garganta desafinada

Quando desce sobre mim a brisa do amanhecer,

Sinto o frio da saudade,

Sinto o calor do desejo

Na espuma dos dias ambíguos,

Ausentes de mim.

Atravesso o desassossego.

Morro enquanto lêem o poema da tristeza

Que atravessa a ponte

Dos transeuntes embriagados,

Sinto o fumo do teu corpo

Neste velho sótão sem nome,

Ao longe vejo a ponte desesperada,

E tal como eu, em frente ao espelho, também um desesperado apaixonado,

Um velho caixão de sombra

Descendo a calçada da morte,

Então a ponte está desesperada?

Ponte. O desespero da carnificina dos cadáveres cerâmicos,

Cacos, pedacinhos de algodão

Rompendo pelo sótão adentro.

A ponte desesperada,

O silêncio na ponte

Enquanto o meu corpo sente…

O desespero da ponte.

 

Francisco Luís Fontinha

terça-feira, 19 de Abril de 2016

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub