Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


29.06.16

Entre as linhas do silêncio

As ânforas madrugadas sem mim

O óbvio segredo das serpentes de granito

Antes do regresso do pôr-do-sol…

A limalha lágrima

Sufocando o rosto da Princesa

Os limites da equação do desespero

Voando sobre os telhados envidraçados

Das mulheres desejadas

O beijo feitiço

Os lábios denegridos da solidão dos dias embriagados

Que apenas eu consigo observar numa cidade sem nome…

Entre carris de esperma

A locomotiva da solidão

Descendo a montanha

Os apitos da loucura

Nos lençóis esquecidos numa qualquer cama

Desertas ruas envenenadas

À porta do cinema…

Simplifico-me

Travisto-me

E para nada…

Não passo de um sonâmbulo

Filho da alvorada.

 

Francisco Luís Fontinha

quarta-feira, 29 de Junho de 2016


27.06.16

Sempre que te encontro

Desencontro-me

Ausento-me da sombra

Que cobre a tua boca

E alicerçam-se as palavras à madrugada

Sempre que te encontro

Desencontro-me

Como um relógio sonâmbulo nas mãos de uma aranha…

O segredo da partida

Levando as coisas supérfluas da vida

Que só tu sabes saborear…

Sempre que te encontro… desencontro-me

Neste labirinto de xisto

Onde habito

Onde escrevo

Todos os desencontros

De quando te encontro…

 

Francisco Luís Fontinha

segunda-feira, 27 de Junho de 2016


26.06.16

saltar

inventar a escuridão das palavras de brincar

sofrer

morrer

nas sílabas do silêncio desejado

sem dor

com o medo de acordar

e saber que no mar

um corpo magoado

pernoita na maré

saltar

e não encontrar a âncora da tristeza

sempre que os dias dormem

e as manhãs sentem a pobreza…

do riso

do esquecimento…

sempre

saltar

para o abismo de morrer…

quando o olhar se despede do sofrimento

 

Francisco Luís Fontinha

domingo, 26 de Junho de 2016


24.06.16

Habito neste poço

Mergulhado na escuridão,

Sinto o abraço do fantasma de cartão

Que foge da algibeira do moço…

Sem saber o significado do amor,

Ou da razão

De amar,

De ser amado,

O deslumbrante cidadão…

Aconchegado

Ao sorriso de algodão

Que alimenta a dor

E o cansaço da mão…

Esfuma-se no silêncio do mar.

 

Francisco Luís Fontinha

sexta-feira, 24 de Junho de 2016


20.06.16

A noite poisa a mão do guerreiro sobre os lençóis do sono,

Os cigarros transportam o vómito,

E aos poucos vão adormecendo no cinzeiro da solidão,

Não mais pertencerei a este silêncio

Que habita o meu corpo,

Daqui a alguns dias,

Eu,

Este corpo camuflado pelo incenso da madrugada,

Entrará em putrefacção anónima…

E serei apenas um cadáver de cinza prateada.

 

Francisco Luís Fontinha

segunda-feira, 20 de Junho de 2016


19.06.16

há uma caverna de cinza nas tuas palavras,

o silêncio amarga os dedos do sofrimento,

e o vento se alicerça nos teus lábios,

de graça,

vem de longe a barcaça…

com os meus restos mortais,

 

há uma casa abandonada,

onde habita a escuridão dos dias adormecidos,

e os bandidos vivos saboreando uma esplanada,

as ruas envenenadas,

as trôpegas pedras das calçadas,

que só eu consigo alimentar,

 

há uma caverna,

há uma casa…

de cinza

de prata…

há no teu cabelo um chapéu de lata…

com a sanzala dos meninos envergonhados.

 

Francisco Luís Fontinha

domingo, 19 de Junho de 2016


17.06.16

Sem ti as palavras obedecem à desordem das coisas não belas,

Senti no meu corpo o abstracto silêncio

Das noites envidraçadas,

Os pincéis suspensos no tecto da alvorada

Esperando que a tela da solidão regresse do ontem,

Sem ti os poemas envenenados pelo veneno da inocência…

Que belo…

O amanhecer,

Que belo…

A noite caiada pelas mãos da madrugada,

A noite cinzenta e magoada…

Que belo… sem ti, sentir os teus lábios nos meus lábios…

 

Francisco Luís Fontinha

sexta-feira, 17 de Junho de 2016


15.06.16

Uma fotografia sem ninguém

Dorme sobre a minha secretária,

Do lado esquerdo, deitada, a sonolenta caneta de tinta permanente…

Assustada,

Ausente,

De mim,

 

Que pertenço às imagens prateadas.

 

Francisco Luís Fontinha

quarta-feira, 15 de Junho de 2016

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub