Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.



Segunda-feira, 19.08.19

Os teus olhos

Os teus olhos

São as estrelas dos meus sonhos.

São o poema amanhecer,

Quando os teus abraços

Se entranham no meu pensamento.

Os teus olhos são o cansaço de escrever,

A madrugada

Desassossegada,

Antes de o dia nascer.

Os teus olhos são o meu alimento,

A almoço desejado,

E mesmo assim,

Prefiro afagar o teu cabelo

Do que adormecer em sofrimento.

Como um sem-abrigo desamado…

Os teus olhos

São as estrelas dos meus sonhos,

São a sombra do meu jardim,

Nas tardes escaldantes.

Os teus olhos

São as amêndoas em flor,

As palavras escritas na terra húmida de Luanda…

Os teus olhos

São a madrugada amor,

Quando nasce o Sol,

E lá longe,

Uma barcaça,

Triste, desalinhada…

Alcança a minha mão,

Desafogada,

Nas pétalas de uma flor.

Os teus olhos

São amor.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

19/08/2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:36

Segunda-feira, 12.08.19

O bar

Minhas mãos nas tuas mãos.

Os meus dedos nos teus dedos.

Os teus lábios nos meus lábios.

Quando a noite se esconde na mesa de um bar.

Não há cansaço,

Não existe o medo de não ser,

Amado,

Poeta,

Desengraçado.

Minhas mãos nas tuas mãos.

Os teus dedos, débeis e frágeis,

Esquecidos no meu cabelo.

O livro sobre a mesa.

O cigarro arde,

E tu pareces o silêncio Luar,

Na areia fina do mar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

12/08/2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:52

Domingo, 11.08.19

O magala desempregado

Amor!

Todos os beijos são poucos,

Quando a madrugada dorme.

Sonho,

Alimento-me do teu sorriso brincando nos socalcos,

Ao fundo o rio,

Um magala desempregado,

Desce a Calçada,

Senta-se no teu colo…

E escreve o mais belo poema de amor.

O que é o amor?

Um silêncio perdido na escuridão?

Uma mulher em cio plantada num qualquer jardim da cidade?

O amor é a morte dos curiosos,

O cerrar de todas as janelas da cidade,

Dois corpos em chamas,

Despidos no desejo nocturno dos pássaros sem nome.

O amor é quando dos teus lábios brotam cerejas,

E uvas,

E mangas,

Do meu quintal de Luanda.

O amor é belo,

Como as nuvens envergonhadas,

Nas lâmpadas silenciosas do amanhecer.

Amor!

Todos os abraços são palavras dispersas que habitam a minha boca,

Quando ela se entranha na tua…

E ouvimos o chilrear das andorinhas em flor…

O amor é.

Acontece,

Vive-se,

E nunca se esquece…

Ai o amor, meu amor!

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

11/08/2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:46

Sábado, 10.08.19

Os teus beijos

Os teus beijos são o silêncio nocturno das estrelas de papel.

São os livros apinhados sobre uma secretária abandonada,

Triste,

Cansada.

Os teus beijos são o desejo da madrugada,

As flores do meu jardim,

As bananeiras que cuido e pinto,

Nos teus seios de menina mimada.

Os teus beijos transportam estórias,

Brincadeiras de crianças,

Os teus beijos são lembranças,

Quando cai a noite em mim.

Os teus beijos são as palavras envenenadas,

Os poemas crucificados nos teus lábios,

Derradeiro porto de abrigo,

Onde descanso,

Me deito…

E amo.

Os teus beijos são musicalidade,

Pintura,

Literatura,

Festa,

Farra,

Manifesta alegria do desejo…

Os teus beijos são o Luar,

A jangada esquecida no mar.

Os teus beijos são o telegrama,

A cama,

Onde em ti construo cabanas,

Plantas,

Árvores,

Cinemas.

Os teus beijos, meu amor,

Os teus beijos são a flor,

A ciência,

O cinema,

Que transpira melancolia…

Os teus beijos são crateras,

Rochedos,

Montanhas,

Em cio,

Quando ao fundo,

Lá longe,

Se vê um rio.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

10/08/2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:51

Sexta-feira, 09.08.19

Noite numa biblioteca suspensa na alvorada

Sabia que o teu corpo era porcelana madrugada.

Manuseio-o como se fosse uma sílaba engasgada no poema,

Com jeitinho,

Pinto-o, beijo-o,

Como se fosse uma pétala no jardim do silêncio;

Dois olhares cruzam-se na escuridão do desejo,

Um cigarro arde,

E recorda-se do beijo.

Oiço a tua voz silenciada na alvenaria,

Oiço os gemidos do luar suspensos nos cortinados da paixão,

Sou tão feliz, meu amor,

Tão feliz.

Não finjo,

Sinto-o dentro do peito,

Esta ressaca que me aprisiona aos teus braços,

Não finjo, meu amor,

Não finjo que somos donos do mar,

Não finjo que somos os únicos sobreviventes das tempestades da loucura…

E, no entanto,

Lá longe,

Um barco carregado de livros, aproxima-se,

E poiso nas tuas coxas.

São poemas, meu amor,

Poemas de amor.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

09/08/2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:29

Quinta-feira, 08.08.19

Poema vadio

Oiço os teus gemidos no cansaço da noite.

Amar-te não me chega,

Amar-te é crucificar o teu corpo nas rimas de um poema vadio,

Cansado do rio,

Antes de nascer o Sol.

Amar-te é construir uma cabana junto ao mar,

Plantar livros no quintal,

Desenhar na areia o silêncio da noite,

Esse mesmo,

Onde oiço os teus gemidos.

Não. Não estou louco.

Se o fosse não escrevia sabendo que oiço o mar nos teus lábios de amêndoa…

Contra os rochedos da insónia.

E eu sou capaz de caminhar até à montanha mais alta do meu corpo,

Vagueando nos teus braços de pérola adormecida,

Como o vento,

Levando com ele a cumplicidade de um beijo no esconderijo da noite,

Quando um transeunte tropeça nas palavras,

Que aqui,

Ali…

Vou semeando…

Para quando eu morrer,

Tu,

Acariciares entre parêntesis e ponto de interrogação.

Amanhã?

Logo à noite?

Somos apenas fotografia a preto-e-branco.

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

8/08/2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:36

Quarta-feira, 07.08.19

A galáxia da paixão

(para ti, meu amor)

 

 

Desenho nos teus lábios o silêncio do desejo.

Procuro na tua mão a galáxia da paixão,

E todas as estrelas do Céu.

Trago na algibeira as lágrimas do rio,

Que afagam os teus seios…

Escrevo no teu corpo… amo-te…

E sinto que pertenço ao sorriso do mar.

Pinto no teu púbis os socalcos do Douro…

Lá longe um barco apita,

Olhas,

Abraças-me,

E ficas eternamente alicerçada aos meus braços.

Depois abrimos um livro,

Lemos um poema,

Beijo-te,

Sem perceber que a morte é um esqueleto de aço,

Que dói,

E perde-se no deserto das amarras silenciadas pela tempestade.

(Desenho nos teus lábios o silêncio do desejo.

Procuro na tua mão a galáxia da paixão,

E todas as estrelas do Céu.)

E percebo que estou apaixonado pelas palavras que te digo.

 

 

 

Alijó, 07/08/2019

Francisco Luís Fontinha

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:43


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031






Comentários recentes