Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


30.08.20

Tenho um nome

Suspenso na maré madrugada,

Tenho um sorriso desenhado

No silêncio da espuma cansada.

Ó mar,

Marinheiro acorrentado à tarde,

Barco em papel,

Murmúrios entre esqueletos vazios

E, valentia.

Tenho um nome

Alicerçado ao tempo infinito,

Morte,

Desejo;

Minto.

Perdão, meu senhor,

Este corpo lamenta o nome prometido,

Às portas da cobiça,

Quando a maré,

Mentirosa em mim,

Se deita nos teus seios de cetim.

Esqueço.

Prometo prometer,

Que amanhã, pela tarde,

Vou em ti escrever,

As palavras de nada,

Nas palavras em lata.

Ó mar, água salgada,

Menino de luz,

Na pedra semeada,

Ó mar, mar das cores iluminadas,

Barcaça…

Sílabas espancadas.

Ó mar,

Quão amor; pedras cansadas.

 

 

Francisco Luís Fontinha, 30/08/2020


29.08.20

Quando era pequenino

Sonhava com o sorriso dos peixes.

Desenhava palavras de menino

Na mão tracejada pela escuridão dos pássaros,

E, um dia, das palavras de menino,

Ao amanhecer,

Vi os teus olhos semeados na areia;

Sabia que um dia, qualquer dia,

Sem perceber que tinha em mim, aos poucos, um jardim de papel,

Alicerçado à minha triste veia,

Acordaria o teu sorriso.

Demorou anos, eternidades,

Passei por tempestades,

Oceanos recheados de medo,

E, esse dia, um dia, talvez aquele dia…

Regressou à minha mão,

E, fiquei com os teus lábios de amêndoa.

Quando era pequenino

Sonhava com o sorriso dos peixes,

Alimentava-me de sombras,

Triciclos em madeira,

Menino traquina,

Trapezista em construção,

E, procurava, na sanzala da saudade,

Os olhos do teu coração;

Amanhã, depois de amanhã, o dia, a noite,

E todos os pássaros,

Dormirão na tua boca.

Poço infinito dos beijos prometidos,

Canções, palavras… sonhos perdidos,

Que só a manhã sabe construir.

Hoje, sou o dia,

Hoje, sou aquele menino,

Que na tua mão,

Escreve a palavra Amo-te;

Eis o sorriso dos peixes.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha, 29/08/2020


28.08.20

Quando o mar é um silêncio de espuma

Nas mãos cansadas da maré,

Quando ao mar eu pertenço,

Sem nome, sem fé.

Quantos caracteres, meu amor,

São precisos para escrever,

Na areia,

O teu nome;

Amanhã, talvez, saberei o significado da palavra,

Azeda neblina que atravessa o rio.

E, pego em ti, minha pequenina flor,

Papel bronzeado,

Fogueira desta lareira suicida,

Que habita este corpo de nada,

Que brinca neste corpo cansado.

Servem as palavras

Ao destino menino de brincar,

Quando levita do rosto

Este sorriso embriagado,

E, sem gosto,

Nem me diz… obrigado

Nos olhos do mar.

 

 

Francisco Luís Fontinha, 28/08/2020


27.08.20

Hoje, triste dia de escrever,

Dia cansado de correr,

Neste Universo despenteado,

Longínquo Oceano de saudade,

Que o tempo não apaga.

Hoje, são palavras entre lágrimas de chorar,

E, canções de brincar,

Hoje, o menino dos calções, corre para o mar,

Senta-se na tua sombra,

E, recorda a espuma dos dias de Luanda.

Hoje, já não sei quem manda,

Se manda,

Se não manda,

Mas sei que hoje,

Todos aqueles que mandam,

Em mim, não,

Sou as palavras murmuradas, por ti, na noite chorada,

São palavras, minha querida, cartas a um filho…

Hoje, triste dia de escrever,

Dia cansado de correr,

Hoje, sanzala esquecida na tua mão,

Quando o Sol acorda sem resolução,

És canção…

És lágrima,

És mãe.

 

 

Francisco Luís Fontinha, 27/08/2020


20.08.20

DSCN1350.JPG

Barco do destino, 20 de Agosto de 2020

 

 

Carta aos pássaros,

 

Meus queridos,

 

Chove. Alimento-me dos vossos sorrisos e, sempre que posso, mergulho nos vossos desejos, apesar de ontem, ao meio-dia, um pequeno silêncio de nada, aos poucos, mergulhar no destino,

Apetece-me rir,

Canso-me dos vossos tristes olhares, pela manhã e, um pedaço de nada, como uma nuvem de ninguém, cambalear no deserto da neblina, apetece-me correr para os vossos braços, caminhar sobre as pedras doidas,

Ouvi dizer,

Que uma pequena pedra lilás, dorminhoca, brinca na minha sombra, mas apenas ouvi dizer, como ouvi dizer que o mar um dia virá buscar-me e, talvez vá visitar as montanhas cinzentas, como quando pela noite regressou o vento, e fui visitar a lua,

Apetece-me rir, canso-me dos vossos tristes olhares, pedaços de nuvem são como as sandálias do pescador, pela madrugada, em busca de beijos,

Tudo é fácil,

Meus queridos,

Ontem vi uma flor perdidamente apaixonada pelo mar, um barco em papel veio falar comigo, mas os peixes não gostam de pássaros e, todas as flores são pedaços de algodão, pedrinhas mansas e, vento,

Sopra.

A caverna. O túnel engole o poeta, este, deixa cair todos os versos ao mar, e sinto que todos os peixes sabem na ponta da língua as palavras, mortas, do poeta,

Ontem.

Hoje.

Chove, perdidamente,

Regressa a paixão, caiem nas palavras o salgado silêncio, o pão parece envenenado na boca da tempestade, mas nem todos os pássaros compreendem, ou

Chove,

Ou, nada. Pedras. Barcos.

Nada.

 

Francisco Luís Fontinha

20/08/2020


18.08.20

Uma esplanada de desejo, em verso, suspensa na nuvem teu olhar, ao longe o grito dos pássaros famintos, o vento alicerça-se no teu cabelo, suspiro, abraço-te quando os ponteiros do relógio indicam a próxima tempestade de areia,

E, sinto,

 

Amanhã, meu amor,

As donzelas flores na mão de Creta,

Na ilha do desejo, onde habitam as esplanadas,

Vêem-se as ondas de espuma do teu sorriso.

Amanhã, meu amor,

Os pássaros famintos de que te falei,

Hoje, dormem na tua mão,

E, são felizes, meu amor.

 

O sítio perfeito para adormecer, pego no cobertor de versos, acaricio o lençol de palavras que te escrevo e, envio, todas as manhãs, antes do Inverno acordar. Sinto o teu corpo embrulhado no meu, pareces uma tela nas sombras da espátula que se entranha no teu púbis e, são felizes, meu amor,

 

Todos os pássaros,

E, são felizes, meu amor,

Todas as rosas do jardim das palavras vivas.

Amanhã, meu amor,

Numa cama de espuma nos vamos deitar,

Brincar com as telas imperfeitas, quase mortas, dos meus textos envenenados,

Antes, pela loucura, hoje, pelo amor.

 

Acorrento-me a ti, escrevo na tua pele, as palavras minhas,

Quão sombras, outras coisas suspensas nos teus lábios,

O sábio, o louco,

Descendo a calçada para a morte.

 

Impressionante, este cubículo de areia, os brinquedos todos alinhados, para que as crianças que somos, brinquem como os livres pássaros, que da montanha masturbam as nuvens de azoto e, cantam.se cantigas de embalar, à noite, quando te despes, o silêncio vagueia no teu cabelo, uma lâmina de desejo, avança de encontro à janela e, todas as clarabóias do prédio choram a tua partida,

 

Amanhã, meu amor,

Os doentes caules das plantas de granito,

São rosas, são pão, são beijos…

Na tua boca de silicatos adormecidos.

Hoje, sinto a maré nos teus seios,

Sei que pertencem apenas a ti, mas também as minhas palavras,

São as tuas palavras, são o sumo da uva, o glorioso vinho,

Que brinca na eira de Carvalhais,

E, não tenho mais pássaros para desenhar, meu amor,

No teu corpo nu, obscuro, simples, assim, como as palavras que escrevo.

 

O dia acorda, as sílabas levantam-se como caracóis despedidos sobre a mesa de jantar, uma vela, recheada de desejo, ilumina-nos, como se fossemos pequenas estrelas em papel, dançando na espuma da noite.

Amanhã, meu amor, todos os candeeiros a petróleo, são, talvez, uma janela para o mar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 18 de Agosto de 2020


16.08.20

Das palavras frias e esquecidas

Emerge o sonho do poeta,

Das palavras cansadas, vadias,

Correm nas mãos do poeta.

Nas ruas desertas e frias,

Entre janelas e clarabóias perdidas,

Que dormem na cidade inventada.

O sonho do poeta,

Quando escreve na esplanada deserta,

Vêm os milhões de gritos,

Desejos,

Do poeta,

Entre beijos.

O dia.

Quando o poeta acorda,

Dança sob a chuva miudinha,

São palavras, do poeta,

Aquelas que ficam esquecidas,

Nos olhos da amante do poeta.

Beijo.

O beijo do poeta

Nos lábios pincelados do poema,

As rosas, os jardins do poeta,

Numa qualquer cama.

(Das palavras frias e esquecidas

Emerge o sonho do poeta)

O medo.

A sombra que mata o poeta,

Quando a cidade se esconde no mar,

Quando o poeta desenha o próprio mar,

Na lareira da noite,

Quando a noite abraça o poeta,

Quando o poeta morre no poema.

Os versos,

As rosas das mãos do poeta,

São prosas,

São palavras…

São o fumo da montanha.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 16/08/2020


14.08.20

Os dias se cansam,

cansam-se nas sombras da tarde,

almoça a gente,

gente com arte,

gente que não sabe,

que da maré,

todas as noites,

regressam os rapazes do engate.

O povo reclama,

sente o medo de gritar,

o amor em chama,

nas mãos do velho mar.

os dias se cansam,

cansam-se nos olhos do poeta,

abre-se a porta,

abre-se a janela,

e, de porta aberta,

o poeta,

não sabe quem o chama.

Todos os dias, são dias de amar,

e, os dias se cansam,

cansam-se nas palavras de falar.

Tenho pressa de me cansar,

de correr...

os dias se cansam, cansam-se no teu olhar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14/08/2020


11.08.20

117056347_3843392975678140_7086002580485006967_n.j

Acrílico s/tela 70x100 – Francisco Luís Fontinha

 

Um silêncio de espuma poisa suavemente no teu olhar, a manhã fria, passeia-se pelo jardim imaginário da sombra, o perfume do teu sorriso vagueia, lentamente, nas amoreiras em flor, cansada, a manhã, alicerça-se aos braços do poeta, que incendeia palavras junto à árvore do silêncio,

Ouves-me?

Grito.

O grito da corça, o vai-e-vem dos sons melódicos do desejo quando abraçam o corpo camuflado no silêncio de espuma, as flores, o amor quando as flores brincam na eira granítica do sono e, ao longe, o tão esperado fim-de-semana,

Amanhã, vens?

A sepultura do esqueleto ósseo dorme, as lâmpadas da noite, em queda livre, suicidam-se nos pequeninos pedaços de papel que o poeta amarrotou durante a tarde,

Sombras de néon sombreiam o teu no corpo embalsamado pelo silêncio, aquele de espuma, que habita na cidade dos pássaros,

Flores, meu amor, são apenas flores…

E, ninguém sabe a que horas abre o jardim do descanso, com banquinhos de madeira cansada pela tempestade da tarde,

Amanhã, vens?

Claro que sim,

Flores, donzelas, meninos e meninas, o circo chegou à cidade dos pássaros e, os pássaros, todos eles, vestiram-se de palhaço; o pobre, o rico e, o grande palhaço do Reino, que existe, mas que ninguém conhece.

Abrem-se ranhuras no gesso fendido da madrugada, todos os gemidos nocturnos, de variadas cores, alimentam o orgasmo imbecil da esperança, acreditava em pássaros, meu amor,

Amanhã, mãe?

Ai o amor, meu querido, quando dormes sobre uma lâmina de granito, encostas a cabeça ao meu ombro, depois desces a calçada em direcção ao rio e, beijas-me loucamente,

Acreditas no destino, meu amor?

Talvez meu filho, talvez,

Um zero à esquerda, sentou-se sobre o paralelepípedo do sono e, embarcou numa jangada para a ilha dos amantes.

Hoje, sou um pedaço de silêncio de espuma.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 11 de Agosto de 2020

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub