Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


31.12.20

Uma casa cansada despede-se da saudade.

Todas as portas e,

Todas as janelas,

Dormem docemente na umbria da tarde.

O beijo louco das árvores,

Quando o louco amor,

Desce a calçada,

Quando a boca, da casa, beija a tarde em despedida.

E essa mesma casa,

Cansada,

Dorme docemente na tua mão.

Sabes, amor? Todas as flores do teu jardim e,

Todas as árvores do teu jardim,

Alimentam-me quando o sono desaparece na alvorada,

Uma pomba, voa entre pedaços de papel,

Até à claridade do dia,

Uma casa,

O amor da casa pelo pobre jardineiro,

Uma carta escrita entre parênteses e,

Fica sempre aquém um simples ponto final.

O rio foge das suas margens,

Os peixes agradecem todos os rochedos que encontram,

Todos os dias,

Ao meio-dia.

O café encerrado,

A esplanada entre pontas de cigarro e,

Lâmpadas de néon…

Tristes, como a aldeia dos chocolates.

Sabes, amor?

O beijo é uma fotografia,

Como a casa,

Cansada da saudade.

 

 

Francisco Luís Fontinha, Alijó 31/12/2020


24.12.20

Sem ti, das saudades de Luanda.

O menino que tropeça na sombra das mangueiras,

E, em cada fim de tarde,

O abraço imaginário do “chapelhudo”.

Caía a noite sobre ti,

E, dentro da sonolenta dor, os papagaios em papel colorido,

Que voavam em direcção ao infinito.

Guardo de ti, todas as fotografias,

Todas as palavras, escritas, não escritas,

Sobre um corpo moribundo.

O mar,

Lá longe, os braços do mar,

Corrupiando sobre a maré dilacerante do nada,

Tinha medo, da “lhá”,

Ouviam-se os gritos melancólicos dos mabecos,

Esfomeados pelo sono do desassossego,

E, no entanto, eram tão queridos, como o são todos os animais…

Sem ti, das saudades de uma Luanda assassinada por um dia de Verão,

Na algibeira, as pequeníssimas côdeas de saudade,

Descendo a calçada,

Sentava-me no chão, pedia à sombra das mangueiras, protecção para terminar mais uma aventura, descia do teu colo e, sabia que tinha regressado do ontem.

Hoje, recordo uma Luanda apodrecida numa pequena folha em papel,

Um vagabundo poema,

Que não deixa saudades.

Sem ti, de ti,

Este dia sem nome.

 

 

Francisco Luís Fontinha, Alijó – 24/12/2020


19.12.20

Um louco será sempre um louco.

Cerram-se todas as janelas da poesia,

Morrem todos os pássaros da minha aldeia,

De tanto, o pouco,

Das flores donzelas que eu queria…

Antes do horário da ceia.

Caem sobre ti as loucas fotografias,

Escrevem-se as palavras sobre a ria,

Depois, vem a fantasia,

E, o amor e, a alegria.

Escrevo-te, meu amor,

Todas as tardes em beleza,

Sinto, sento-me, nas heteras mãos de Deus,

Sabes? O palhaço está doente,

A flor,

Tua doce boca, só, na clareira,

E, todas as sanzalas, e, todos os musseques,

Doentes

Como Deus nos apetece.

Esqueço,

Durmo nesta cama azada,

Entre um cobertor de pano

E, uma nova namorada.

Entre palavras parvas

Que assombram as minhas mãos;

Sabes, meu amor!

A vizinha está encharcada de veneno,

Trouxe a morte,

A vaidade…

E, escreveu seu nome,

Nas amplas matrizes de poder,

Olho-a,

Vejo-a,

E, loucamente te beijo,

E, loucamente,

Eu, este louco que te quer.

Um louco será sempre um louco,

No destino de viver.

 

 

Francisco Luís Fontinha, Alijó/19-12-2020


12.12.20

Cáfila pétala teu nome

Abraço madrugada,

Dentro do silêncio, a fome,

A fome do beijo prometido,

Na boca sem nada.

(o homem perdido)

Percorre o corpo camuflado de desejo,

Ao sabor do vento arisco,

Pede às palavras, palavras de ensejo,

Num olhar nunca visto.

Sabe de antemão que tem no seu jardim,

Flores, meu amor e, palavras encantadas,

Papeis que voam dentro de mim,

Depois da tarde madrugar,

Sou o homem perdido,

Perdido no mar;

Sou o homem das palavras cansadas.

Minha flor de Orfeu,

Sorriso de menina,

Livros, cantigas e, beijos adormecidos,

Poema teu,

Na tua mão que alguém lê a sina,

E, sem o saber, alimenta os pássaros endoidecidos.

Escrevo no teu corpo, amar,

Cancão que o vento beija,

E, coloca nos teus lábios, a serpente envenenada.

Amor, temos tudo como um simples abraçar,

De quem a pedra aleija,

Dando à palavra, a seta laminada,

E, ao homem perdido, a minha flor de Orfeu;

Todas as palavras são desejo,

Todas, menos a saudade,

Porque em cada beijo,

Existe uma flor sem maldade,

E, em cada flor sem maldade,

Um beijo teu.

 

 

Francisco Luís Fontinha, Alijó, 12/12/2020


04.12.20

(para todas as rodas dentadas, com amor)

 

 

Mataram todas as rosas do meu jardim.

Incha o corpo da serpente embrulhado na saliva florida do meu jardim

E, pergunto-me,

Porque morreram as rosas do meu jardim.

Uma velha roda dentada

Na minha cama deitada

Desmiolada

Triste cansada.

Porquê as minhas rosas embalsamadas?

Coitadas.

Tristes.

Velhas.

Cansadas.

O torno

Que é mecânico

Beija docemente a velha roda dentada

Tem muitos dentes

Tem orgasmos

E, tem uma manivela

Que não serve para nada

A não ser

Para ser rodada

Prá frente

Prá cima

Alto

Cuidado;

Se fosse puta, eu gritava,

Assim,

Como é uma manivela que beija uma roda dentada.

Nada.

Está perdoada.

Coitadas das rosas do meu jardim

De tanto brincar

Dormem

Assim

Como o telegrama que recebi;

Despedido.

Desculpe, não percebi.

Deve ser um mal-entendido

Porque esta maldita roda dentada

Tem a mania que governa

Mas, meus senhores,

Governar não lhe serve de nada.

Governar

Só. Uma roda dentada.

Grito pelo aplainamento

Que brinca com a furadora

Morre

Fode

E, pede desculpa à meritíssima Doutora.

A sentença

A carta de despedida do enforcado

Foi abandonado

Deixado

Pela roda dentada.

Chamei a fresadora

Veio com ela a furadora

Mais a puta da rectificadora.

Hoje foi um putedo de máquinas

Livraram-se do arranque da apara

E lá continua ela

A desgraçada da roda dentada.

Parti-lhe os dentes

Todos.

E, tudo

Para nada;

Todo este putedo em minha casa

Não esquecendo a soldadura

A electroerosão

A puta que os pariu a todos.

Mas, por favor.

Não deixem a minha roda dentada

Deitada

No chão.

Foda-se; que palhaçada.

As fotografias

As rosas

E todas as rodas dentadas.

(e, Senhores. Isto não é um poema. Isto é uma orgia mecânica,

Que dorme na minha cama).

 

 

Francisco Luís Fontinha, 04/12/2020


03.12.20

Às cinco menos um quarto

O teu corpo coberto de poeira

Nos teus lábios, a doce madrugada quer acordar,

Na tua boca, as palavras de luz

Que habitam nos meus olhos.

Às cinco menos um quarto

Um relógio de sono

Quase a desmaiar,

Será fome? Ou apenas manha do dono…

E, dos pássaros às árvores

Enquanto flor nocturna,

Desce sobre ti a triste madrugada,

Em Dezembro estás,

Em Janeiro ficarás nesta aldeia das quatro esquinas de luz,

E contra os rochedos,

As lâmpadas do poema em cio.

Às cinco menos um quarto

A minha mão nos teus seios,

As ditas palavras de ontem,

Tristes,

Vergadas pelo peso do sono,

Em Janeiro acordarás,

Deste azarado Dezembro.

O jantar está óptimo,

Como sempre,

Como todas as palavras,

E, bebo todas as equações do desejo.

Sou eu, não te recordas da minha mão?

Quando ontem

Às cinco menos um quarto

Na tua boca

A minha boca

Adormeceu

Cansada

Viva

Mais feliz pelas palavras comidas

E, de todas as equações sofridas,

Toca o telefone,

Era ela

E, às cinco menos um quarto

Um quarto

Uma janela

E, um sorriso de mar.

 

 

Francisco Luís Fontinha, Alijó/03/12/2020

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub