Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.



Terça-feira, 14.09.21

Corpo sofrido

Danço nos teus lábios de amêndoa adormecida

Enquanto na tua boca de sílaba encantada

Vive a nuvem desesperada

Vive a flor esquecida,

 

Sento-me em ti como se fosses a página poética da madrugada

As palavras dispersas nos lábios da maré,

Sento-me, sento-me sem fé

Da fé amargurada.

 

Escrevo-te na sombra do amanhecer

Palavras que pinto no teu corpo florido,

Escrevo, escrevo viver,

 

Escrevo amar,

Escrevo a canção do corpo sofrido,

Do corpo suspenso no mar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14/09/2021

Autoria e outros dados (tags, etc)

por francisco luís fontinha às 19:28


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2021

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930






Comentários recentes