Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


24.01.14

foto de: A&M ART and Photos

 

 

Desço da tua árvore em desejo como uma serpente sem veneno...

 

sou a tua caligrafia quando a noite se perde em ti

 

e tu

 

tu pareces um pedaço de papel sem palavras

 

paixões de areia que voam com a tempestade

 

amores de gelo que acordam entranhados em geada

 

saudades e saudades e saudades...

 

saudades de não ter saudade...

 

de ti...

 

… de ti quando eu era o teu corpo mergulhado no cacimbo desempregado

 

triste...

 

tão triste como os candeeiros da cidade do mendigo embriagado...

 

 

 

Desço da tua árvore

 

visto-me de caligrafia gaivota sobre os telhados da penumbra madrugada

 

oiço-te em gemidos vagabundos e das alegres naftalinas que o dia contempla... sofres

 

e finges que a Primavera inventou a caligrafia das tuas mãos envelhecidas,

 

 

 

Vai e sente a deslumbrante areia branca com janelas de xisto viradas para os socalcos da dor

 

e que em ti cresçam e se alimentem as ardósias tardes em literatura

 

não

 

não te revoltes

 

não

 

não tenhas medo das gaivotas em caligrafia desgovernada... quando das flores cardumes de abelhas

 

invadem os enxames de peixes que a manhã constrói depois dos pingados beijos descerem...

 

descerem da tua árvore em desejo

 

em silêncio

 

o medo

 

a boca que arde e em jeito de meia-caligrafia...

 

oiço-te em torradas e chás de menta... eis o desejo como uma serpente sem veneno...

 

 

 

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

 

Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2014

 

 

 

(por razões de ordem pessoal, nas próximas semanas, não publicarei... poesia, texto...)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub