Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


15.08.21

Todas as horas são palavras para adormecer. Despe-a solenemente enquanto ao longe a quebrar o silêncio dos uivos, ROUGH AND ROWDY WAYS semeia nas pequenas gotículas da paixão o poema em construção. Beija-a, abraça-a, escreve-lhe no copo o desejo em pequenos pergaminhos e, sabe que dentro dela, todas as noites, urgem as pequenas sílabas da paixão.

Transportas no púbis o pôr-do-sol, cintila no olhar o silêncio da noite, quando todos os livros danças ao som de BOB DYLAN e, ambos sabemos que a paixão fervilha nos socalcos cansados de uma enxada de luz.

Pinta no corpo o amanhecer, da pele lúcida e transparente adivinham-se as canções nocturnas do rio e, todas as horas são horas para amar.

Alicio-a

Canso-me nos beijos, canso-me nas palavras imaginadas por uma máquina fotográfica e, o retracto de desejo absorve-se como se fosse uma lâmina de gemidos dentro do túnel com acesso ao mar. Os barcos brincam na sua mão, na boca, os pequenos uivos e gemidos da tempestade, depois

Alicio-a,

Danço no seu corpo de tela inacabada, sempre que me sento nesta pedra, imagino-a saindo dos seios do mar, como se ela fosse uma página em branco, em que todas as noites escrevo o meu poema

Da paixão.

O meu poema voando como uma serpente dentro de um buraco negro; as estelas olham-se no espelho da manhã, os cigarros fumam-se a cada pequeno passo nas planícies do silêncio e, o amor

Alicio-a e dispo-a.

Aos poucos, deixo de ouvir ROUGH AND ROWDY WAYS, o som mistura-se com as palavras embebidas no prazer,

Sinto-a dentro de mim,

E, eis os gonzos da noite.

Sinto-a nas palavras entre relógios de pulso e sombras de luz nas profundezas das palmeiras junto à baía e, vem até mim o cheiro das algas acabadas de acordar.

Poisa os seios no parapeito olhar de uma janela de hotel, urgem as pequenas sílabas da paixão e, eles olham o veleiro que zarpa das suas coxas. Enveneno-me de luz, embriago-me de silêncios gemidos depois de perceber que fui palavra no útero de minha mãe,

As saudades, eles percebem-me.

E, devem estar muito felizes.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 15/08/2021

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub