Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


15.01.22

Esse corpo embalsamado

Que deslisa na minha mão

É verso cantado

É verso canção.

 

Esse corpo em mim deitado

Flor do campo em construção

É o verso cansado

Cansado de minha mão.

 

Cansado do meu verso cantado

Que sobe a montanha da poesia

Cansado na cama deitado,

 

Deitado e em revolução.

É esse corpo embalsamado que eu sentia

Quando resolvo esta equação.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 15/01/2022


04.01.22

Trazias no corpo

Os parêntesis rectos da insónia;

Das palavras às equações do sono,

Triste esta argamassa de cansaço,

Quando o espaço é uma sombra de nada,

Quando o nada…

É cansaço.

Canso-me porquê?

 

Tenho amor,

Tenho comida,

Tenho um tecto onde me esconder;

 

Pior do que eu

Vive a formiga,

Trabalha, não tem palavras para escrever,

Não tem flores para amar.

 

Pior do que eu,

Habitam os pássaros dentro mim,

Não se cansam de cantar,

Não têm medo de escrever,

 

Trazia no corpo

O silêncio de uma noite mal dormida,

O poema em devastação,

Oiço nas tuas palavras,

O mar em suicídio,

Como qualquer homem de coragem;

Porque, acredita, para te matares tens de ter muita coragem…

E felizmente, eu sou um covarde.

 

Um covarde que acredita na vida,

Um covarde com palavras para escrever,

Um covarde quase licenciado na arte de amar…

Na arte de adormecer.

 

E da arte crescem palavras,

Números e equações de sono,

Rolamentos,

Chumaceiras,

Correias e volantes,

E tantas outras doideiras.

 

(Pior do que eu

Vive a formiga,

Trabalha, não tem palavras para escrever,

Não tem flores para amar).

 

 

 

Alijó, 04/01/2022

Francisco Luís Fontinha


01.01.22

Os dias imaginados por um louco,

Dentro de um cubo de vidro,

Dançando um pouco,

Um pouco e um livro.

 

Os dias pouco,

De um livro louco,

Deste corpo touco,

Neste corpo trôpego.

 

Os dias lançados ao vento,

Quando acorda a madrugada;

Dos dias de sofrimento,

 

Nos dias sem alvorada.

E, se não fosse minha amada…


27.12.21

Estes velhos pássaros,

Parvos e sós,

Que deambulam dentro de mim,

São palavras, são canções,

São flores do meu jardim.

 

Estes velhos pássaros,

Verdadeiros e, de voar,

São poemas de amar,

São desejo,

São noites de embalar.

 

Estes velhos pássaros,

Companheiros de dormir,

Espingarda de disparar,

Estes velhos pássaros,

São os pássaros com quem eu posso falar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 27/12/2021


26.12.21

Trazias na boca

As mais belas palavras da madrugada,

Sentia-te em mim, como um poema,

Abandonado na cama,

Dançando na alvorada,

Parecendo louca,

Parecendo nada.

Trazias no olhar,

As tontas sílabas perfumadas,

Parecendo migalhas de amar,

Parecendo almas penadas.

Era uma tarde cansada,

Quando o teu corpo vacilava

Na minha mão;

Eram palavras de nada,

Eram palavras do coração.

Trazias no cabelo a boca que beijava,

Na noite ensonada,

Havia uma gaivota que voava,

Havia uma gaivota que sofria,

Havia o teu corpo que dançava,

Sem perceber que sorria.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 26 de Dezembro de 2021


22.12.21

Cinzento azul teu olhar

Entre paredes e janelas,

Cinzento azul espelho mar,

De marés tão belas.

 

Das palavras de escrever

Às almas predicadas,

Nos poemas de sofrer,

Sofrer nas madrugadas.

 

Traz a luz da manhã adormecida,

Traz o crucifixo doirado…

Não tenhas medo da partida,

 

E vai em busca da felicidade.

Pinta a noite de encarnado,

De encarnado sem vaidade.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 22/12/2021


21.12.21

Os dias são tardes perdidas

Nas mandibulas tuas mãos,

Os dias, os dias são margaridas,

Margaridas entre sins e nãos,

Os dias, os dias pertencem às noites esquecidas,

 

Das noites anteriormente perdidas.

Os dias são poesia, música, equação,

Os dias são horas adormecidas,

São palavras, são canção;

Os dias, os dias são todas as coisas permitidas.

 

Os dias são madrugada,

São o corpo na lareira,

Os dias são a alvorada,

Alvorada que brinca na fogueira,

Os dias são a manhã cansada,

 

Antes de acordar o dia; os dias são tristeza,

São garrafas embalsamadas na ribeira,

Os dias têm beleza,

E têm corpo de feiticeira.

Os dias são migalhas sobre a mesa,

 

São flores do meu jardim.

Os dias são tarde perdidas,

São pequenas coisas de mim,

Os dias são cores garridas,

Quando acorda o clarim.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 21/12/2021


12.12.21

Um dia

Regressará o sono,

A luz,

E todos seremos apenas imagens,

Poeira,

E pequenos nadas.

 

Um dia

As palavras serão sombras,

E das imagens que eramos,

Seremos novamente, nadas;

Pequenas migalhas de pão,

 

Pedras,

Calçadas de espuma,

Em guerra na cidade,

Um dia seremos apenas chuva,

E pedacinhos de lágrima.

 

Um dia seremos nadas,

Ou outra coisa semelhante,

Um dia seremos geada,

Luz…

Ou fogueira ardente.

 

Um dia seremos nadas,

No outro dia,

Gente.

Um dia seremos pó,

No outro dia, dor, corpo ausente.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 12/12/2021


10.12.21

Trazias nas mãos a transparente geada.

Sabia que nos teus lábios de amêndoa,

Habitavam as cerejas,

E brincavam os gladíolos adormecidos

Junto à pesadíssima enxada.

 

Escrevia no teu corpo todas as palavras de escrever,

Desenhava em ti todas as Primaveras da minha existência,

Verões cansados, Invernos infinitos,

Escrevia no teu corpo o poema

Das manhãs de viver,

 

Das manhãs de partir.

Planto no meu jardim

A tua sombra adormecida,

Com os teus olhos de luar…

Quando a Lua a fingir

 

Finge que não sabe amar.

Trazias nas mãos a transparente geada,

O grito uivo da madrugada,

Deslizando calçada abaixo,

Até se alicerçar no mar.

 

No mar,

Ela cansada;

Cansada das minhas flores

Sempre a derramarem lágrimas,

Gotículas de suor nas palavras de cantar.

 

E sentava-me a olhar a maré

Fotografando pássaros, paisagens e pequenos nadas.

Coisas simples e com prazer,

Prazer do infinito

No infinito, sem fé.

 

A minha mãe dizia-me; - meu filho, a fé é que nos salva.

E nada salva ninguém,

Nem ninguém pertence a alguém…

Quanto mais salvar…

Que nem ela foi salva.

 

Aprisiono-me a este corredor

Sem janelas físicas,

Inventando sombras nas tristes paredes.

Traços,

Riscos,

E afago algumas pétalas de flor.

 

Escrevo. Escrevo muito sem o saber.

Escrevo palavras em todos os cantos da circunferência hiperbólica

Das noites perdidas;

Escrevo, desenho e pinto,

Coisas que as pessoas me dizem para fazer.

 

Escrevo cartas a um remetente esquecido.

Resolvo equações a quem precisar,

Escrevo muito,

Escrevo junto ao mar,

Nas tuas mãos a transparente geada; nada está perdido.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 10/12/2021


05.12.21

Senta-te aqui.

Escreve em mim

As palavras que não ousas escrever,

Silencia-me os números

Que jazem nas minhas mãos,

E

Apenas servem para comer,

Descendo a montanha,

Dormirem junto a ti,

Dentro do mar.

Senta-te e olha-me.

Desenha em mim

A fotografia prateada da saudade,

De cabelos soltos ao vento,

Desenha em mim a triste madrugada…

Deixa estar; fica, fica aqui sentada,

E,

Desenha em mim,

(com o lápis da verdade)

O doce alegre alento.

Senta-te aqui!

Declama as minhas palavras amargas e distantes,

Quando o meu corpo falecer,

Quando o meu corpo deixar de escrever,

Escrever cartas para amantes.

Senta-te e não me odeies pelas canções envenenadas,

Pelas palavras ensanguentadas,

Que deste livro emergem e acordam,

Acordam sem acordar, sentando-se nos olhos que não choram.

São as lágrimas do senhor,

São as rosas do teu olhar,

São saudade, são flor,

Flor silêncio de mar.

Senta-te aqui e divide este triângulo louco,

Divide-o em pedacinhos amanhecer,

E,

E de tudo um pouco,

Não te esqueças de me escrever.

Levanta-te corpo abandonado,

Palavra em delírio na madrugada,

Levanta-te, levanta-te poeta enforcado,

Enforcado na calçada.

Senta-te.

Escreve em mim

As palavras que não ousas escrever,

Desenha em mim as circunferências da dor,

Palavras, beijos de amor,

Que não sabem viver,

Que detestam brincar,

Traz-me as rosas, meu amor,

Traz-me as rosas de amar,

Aquelas que habitam o teu sorrir,

Traz-me as rosas, traz-me as rosas sem as partir,

Partir,

Partir junto ao mar.

Senta-te aqui,

Pequenina luz de saudade,

Cabelo branco, voz rouca e pálida, cabelo pouco,

Pouco como estas palavras de dizer,

Senta-te aqui, pequenina saudade,

Sem medo de viver,

Viver sentada,

Aqui sem dizer,

Dizer e querer,

Querer regressar,

Sem o saber,

Saber amar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 05/12/2021

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub