Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


20.02.16

O silêncio dos livros adormecidos

Que se alicerçam ao meu cadáver

O perfume das palavras que envolvem o meu cadáver…

A viagem sem destino percorrida pelo meu cadáver

O silêncio dos livros…

Sabendo-os mortos

Esquecidos nas prateleiras da luz

Regressa a manhã

Traz no olhar a simplicidade do abismo

Das crateras da solidão

E das loucas avenidas

Que habitam a cidade dos livros

Não me ouves, meu amor,

Adormeceste no passado longínquo

Como adormecem as montanhas de insónia

No meu leito desfigurado

Complexo

Amargo

Como o marfim do amanhecer

Perdes-te no labirinto da morte

Querendo levar-me contigo

Sou um pedaço de sono

Mergulhado nos teus braços

Sem saber que lá fora

Não há cidade dos livros

Sem saber que lá fora

Todas as nossas fotografias são tons de paixão

Pincelados de marés de inferno

E barcos de aço encalhados no cais da despedida

Abraço-te, meu amor,

Pego na tua mão

E finjo ser um casebre em ruínas

Com poucas janelas

E porta alguma…

O silêncio, meu amor,

Dos livros

Todos mortos

Como eu, meu amor,

Habitante da cidade dos livros

Transeunte camuflado pelos alicerces do desejo

Habito-te

E permaneço em silêncio…

 

Francisco Luís Fontinha

sábado, 20 de Fevereiro de 2016


19.04.12

Qualquer coisa estranha à janela
olho as árvores imaginadas
por um miúdo em calções
olho-lhe os braços suspensos no cacimbo
e ele acena-me com um sorriso ténue
antes de adormecer a tarde

e enquanto me acena
vai imaginando árvores enormes quase a tocarem o céu
árvores que rompem a montanha
árvores que alguém esqueceu
num jardim de aldeia
ou perdidas numa cidade
sem janelas
sem portas
sem casas
uma cidade construída em papel
e com muitas palavras
a cidade dos livros

a cidade dos livros
com gajas poeticamente desejadas
e poeticamente amadas
como as flores dos jardins de Belém

uma cidade sem cigarros
e sem rimas
e todas as personagens

coisas estranhas à janela.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub