Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


25.03.13

pag. 465 (poema de Francisco Luís Fontinha – Cachimbos de Prata)

 

Um pedacinho de névoa

entranha-se na tua doce boca vestida de alecrim

e das algibeiras insónias madrugadas

acordam as imagens fictícias do orvalho incendiado pelo incenso doirado

olho-te vagarosamente no espelho mental das árvores danificadas

pelos ventos e tormentos que em ti navegam

perdidamente como uma gota de água

esquecida num banco de pedra debaixo de um plátano tresmalhado

e doente apaixonado

pelos orifícios indistintos do velho jardim

um pedacinho de névoa

entre os teus lábios narcisos e a tua língua rosa com pétalas de amor,

 

Oiço a tua mão voraz desenhando letras nocturnas

em nuvens de seda

oiço os teus gemidos transversais contra as paredes do velhíssimo relógio

suspenso no peito cansado e triste do homem das sete patas de madeira oca

oiço a voz rouca de um cachimbo de prata

saltitando

dançando

nas eiras graníticas das canções que a infância comeu

em pequenos torrões de açúcar

misturados com sílabas de céu estrelado

e sandes de marmelada

ao pequeno-almoço,

 

Pedia-te sossego e tu desaparecias de mim

dançando

saltitando

como um cachimbo de pedra adormecida pelas vagas contra os rochedos

dormíamos dentro dos ouvidos da praia

e antes de encerrarmos definitivamente os cortinados da Aurora Boreal

entrava em nós o Rossio vestido de gente

com mãos de noite

ouvíamos o rio nas catacumbas do amor

a pintar estrelas de luz

e luas de papel

e eu sabia que tu nunca mais irias regressar das salivas amargas do primeiro amor...

 

 

@Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub