Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


18.04.23

Invento o sono

Nos teus lábios de doce mel

Quando a manhã se ergue.

Invento a solidão

Apenas porque preciso da solidão

Apenas…

Apenas porque eu sou a solidão.

 

Invento o Inverno

Invento a geada

Queixo-me da Primavera

Enquanto me perco em invenções…

A Terra gira

E Deus… olha-me

Incrédulo

Olha-me como se eu fosse um louco

Ou “o velho e o mar” de Hemingway

E depois…

Depois percebo que sou o louco

E sou realmente o velho

O velho sem o mar…

 

Invento este vadio sono

Na esperança de que a ausência me leve

Ou o vento me leve

Ou o vento me traga

A insónia

Invento tudo isto

Na esperança de um dia me sentar em frente ao mar…

E esperar que alguém me venha resgatar.

 

 

 

 

Alijó, 18/04/2023

Francisco Luís Fontinha


06.04.23

Cresci

Acreditando num Deus

Pedia-lhe coisas

Muitas coisas

Era um círculo de luz com olhos verdes

Às vezes

Este meu Deus misturava-se com as crianças que brincavam nos musseques

Construía danças enquanto o vento

Desenhava sorrisos junto ao capim

 

Este círculo de luz com olhos verdes

O meu Deus

O Deus todo-poderoso

Criador das palavras

Do desejo

Do sexo das palavras

Do beijo

Este pequeno-grande círculo de luz

Com verdes

Verdes olhos das marés de Inverno

 

Cresci

Rezava-lhe

Ajoelhava-me junto ao mar

Erguia-lhe as mãos…

E ficava… ali… pasmado como um pedacinho de medo

Sempre à espera

Esperando

Que um paquete me resgatasse daquele Inferno

 

E depois de eu morrer

O comandante do paquete

E o Deus todo-poderoso

Criador do silêncio

Da poesia

Da paixão

Um círculo de luz

Com olhos

Verdes

Meu amor…

Verdes olhos

 

À noite

Sentava-me na cama

Desenhava paquetes na fronha da almofada

Uma espécie de miséria abraçada à vergonha

Quando as estrelas em finos traços de tesão

Subiam às mangueiras do meu quintal

E eu sabia

Quase sempre…

Que o avô Domingos regressava da cidade

E na mão

Trazia o cordel

Com que puxava os machimbombos

Por uma Luanda…

Em pequenos vómitos

 

Meu Deus

Meu grande Deus

Círculo de luz com olhos verdes

De verdes olhos

Entre momentos de dor

E caixas de solidão

Um Deus hoje

Hoje arrogante

Um Deus que se está a cagar para mim

E para as minhas palavras

Um Deus…

Um círculo

De luz

E de verdes olhos

 

E não me digam que este Deus

Meu Deus…

E não me digam que este circulo de luz com olhos verdes…

É Deus…

Porque este círculo de luz com olhos verdes

Este meu Deus…

É apenas mais um impostor que poisou dentro de mim

Como todas as pedras

Como todos os rios

Como todos os mares;

Um círculo de luz com olhos verdes.

 

 

 

Francisco

06/04/2023


26.03.23

Habito neste corpo sem espaço,

Deste corpo ensanguentado

Quando a Primavera promete um abraço…

Neste corpo ausentado.

 

Habito dentro deste mar

Que transporto na minha mão,

Habito em todas as noites de luar,

Das noites onde procuro o pão.

 

Habito neste corpo sem nome,

Deste corpo sem identidade…

Habito dentro deste corpo em fome…

 

Da fome das palavras que deixarei de escrever.

Habito nesta ausência que traz a saudade…

Na saudade de morrer.

 

 

 

Alijó, 26/03/2023

Francisco


27.01.23

Às vezes, é o sol que se esconde,

Às vezes, é o rio que fica ensonado,

Às vezes, são as nuvens que poisam sobre as árvores,

Das vezes,

Que às vezes,

O sono nos transporta,

 

Às vezes, o silêncio é alegria,

Outras,

É a alegria que se transforma em silêncio,

 

Às vezes, fico por aqui,

Outras,

Outras ando por aí…

 

E de tantas vezes,

Da minha vida,

Muitas vezes,

Por vezes…

Das vezes que caí,

 

Às vezes, tombava no pavimento,

Às vezes, tombava sobre as outras vezes,

Que às vezes,

Muitas vezes,

Me deixaram sem alimento,

 

E quantas vezes,

Meu Deus das vezes…

 

Queria o pão,

Que por vezes,

O transformava em pequenas vezes;

Nas vezes em solidão.

 

 

 

 

Bragança, 27/01/2023

Francisco Luís Fontinha


08.12.22

Às vezes

Pergunto-me quantos pássaros estão poisados numa árvore

Depois

Pergunto-me quantas folhas tem a árvore

Depois

E se a árvore não tiver folhas

Mas com pássaros

E se a árvore não tiver pássaros

Mas com folhas

E se a árvore estiver deitada no chão

Enquanto dorme

Sem pássaros

Sem folhas

Com fome

Sem sono

 

E se a árvore beber

E fumar

E se a árvore tiver insónia

E passar a noite a olhar as estrelas

 

Estrarei feliz por esta árvore

Que eu olho

Que me olha

Ter pássaros

Ter folhas

Chorar de noite

Rir

E inventar o medo nas traseiras de um barco

 

E se o meu jardim não tiver árvores

Mas apenas sombras do tamanho do Universo

E se o meu jardim não tiver barcos

Beijos

Tristes beijos

Silêncios

E tristes silêncios

Sombras infinitas

Rectas

Retractos

Espuma

Círculos

Quadrados

Fios e pequenos silêncios de luz

Sémen

 

Às vezes

Pergunto-me quantos pássaros estão poisados numa árvore

Que eu olho

Que me olha

 

Depois

Penso em desistir de sonhar

De fumar

Penso em deixar de olhar as árvores

Os pássaros

As árvores e os pássaros

As folhas e as árvores

E as folhas das árvores

E as árvores dos pássaros

E o raio das folhas dos pássaros

Que ainda não sabem onde se escondem os pássaros das folhas

Acendo o último cigarro

Invento o sono nas frestas que a noite me vai trazer

Espero que morra a lareia

E que o meu copo de uísque se suicide no meu peito

 

E seria a primeira vez que um copo de uísque se suicidava sobre o meu peito

 

Às vezes

Pergunto-me quantos pássaros estão poisados numa árvore

Que eu olho

Que me olha

A quem escrevo

Que me escreve

E lançam sobre mim todas as sombras do tamanho do Universo

 

E estes pássaros são em papel

Muitas cores

Muitos tamanhos

Em cruz

Vertical

Longitudinal

Em círculo

Em pequeninos círculos

Nos lábios

Dos lábios

 

E as árvores

E os pássaros

E as folhas

E as árvores sem folhas

E as árvores sem pássaros

 

E os pássaros sós

 

E tudo isto antes de eu adormecer

Antes de eu morrer…

 

 

 

 

 

 

Alijó, 07/12/2022

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub