Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.

francisco luís fontinha

Nunca vi o mar, A minha mãe sonâmbula nas noites de cacimbo desenhava o mar no teto da alcofa, um círculo com olhos verdes e sorrisos e cheiros que aprendi a distinguir antes de adormecer, e eu, e eu... francisco luís fontinha.


22.01.20

Deus, não gosta de mim.

Os pássaros, criados por Deus, também não gostam de mim.

Não acredito em Deus, nem nos pássaros criados por Deus.

A tempestade, em mim, costuma ser passageiras,

Alguns segundos, ventos ciclónicos, e chuva miudinha…

Também ela, obra do criador.

Debato-me com o trágico sentimento de perda,

Quando as palavras se ausentam,

Quando os livros, recheados de palavras, também se ausentam.

Deus, não gosta de mim.

Pudera.

Se não acredito em Deus, também ele, não deve gosta de mim, acreditar em mim,

Mas, não preciso que alguém acredite em mim,

Os desenhos acreditam em mim?

Os desenhos criados por Deus, que me criou, e eu duvido.

A cidade ferve,

A moça corre apressada para os braços de Deus,

Abraça-a, beija-a, como se amanhã existisse uma ribeira fora do leito, em direcção ao mar.

Deus criou as palavras,

Os versos,

A mentira,

A despedia,

A morte,

A rebeldia…

Deus, parece-me indiferente às palavras, palavras criadas por Deus.

O campo, ao longe, verdejante, desparece nos lábios de Deus…

E, os pássaros, filhos de Deus, à procura das abelhas,

Picam-me,

Aleijam-me,

Mas nada é mais doloroso que a morte.

A morte, a má-sorte, e companhia limitada,

STOP,

Em frente, marcha,

Cruzamento,

GNR ao comando,

Automóvel desgovernado,

Nas mãos de Deus.

IRRA.

Não.

Não. Ponto.

Palavras. Mortas. À nascença.

Deus, Deus é Deus, criado por Deus.

FIM.

Tudo ao molho e fé em Deus.

Todos os homens, são pássaros?

E os pássaros?

São homens?

E o burrinho?

Que faz o burrinho dentro do poema?

Porque hoje é 22 de Janeiro,

Porque Deus criou o calendário…

Não.

Não.

Talvez amanhã!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

22/01/2020

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub